O entendimento pacífico do STJ é que as subvenções e isenções deferidas pelo governo estadual, constantes do regulamento do ICMS, não constituem renda ou lucro, de forma que não podem integrar a base de cálculo do IRPJ e da CSLL, reduzindo, assim, os referidos tributos.